jusbrasil.com.br
22 de Janeiro de 2022

Homenagem póstuma à minha cliente que morreu de Injustiça!

Às vezes, a gente perde uma luta para continuar na guerra.

Machado Plazzi Benincá, Advogado
há 2 anos

Não era esse o texto programado para o dia de hoje, mas a vida é assim, não espera...

Preciso contar sobre a dor da perda de minha cliente Célia (a história é real o nome é fictício).

Célia era idosa e aposentada por invalidez já há 4 anos, quando em 2018 me procurou pois o INSS a havia chamado para uma nova perícia e, após, cortado sua aposentadoria.

“Mas dra. minha doença não melhorou, estou idosa e cada dia pior.”

Célia, já havia sofrido um AVC passado por vários procedimentos cirúrgicos tinha diversos problemas cardíacos e pulmonares graves, além do que, todo esse quadro ainda a levou a desenvolver graves problemas Psiquiátricos.

Como é possível que o INSS diga a esta mulher que ela está apta a voltar ao mercado de trabalho?!

É CRUEL!

Com o corte injusto pelo INSS, Célia ficou com o aluguel atrasado e passou a ser ameaçada de despejo, a conta da farmácia que sempre fora altíssima também ficou sem pagar, o plano de saúde já era, com muito custo, pago pelos seus filhos. Como é que Célia iria comprar os medicamentos necessários para os cuidados de saúde, como iria COMER, como iria conseguir dormir em paz?!

  • Ingressamos com ação judicial com pedido de tutela de Urgência.
  • Resposta judicial: Negado! A tutela seria analisada apenas após a perícia.
  • Perspectiva de marcar a perícia: meses....
  • Resultado: crises de saúde, nova internação! Célia foi parar na UTI.

A segurada estava internada em UTI. O que mais seria preciso para evidenciar sua incapacidade?! - Novo peticionamento, nestes exatos termos.

Deferida tutela!!!!

Porém, Célia tinha pressa. A pressa de quem amarga o preço das mazelas sociais, a pressa da DOR, DA FOME.

Quando saiu da UTI, Célia quis conversar pessoalmente com o juiz, e foi, a meu contragosto. Eu lhe disse que ela poderia fazer o que entendesse por bem, porém, muitos juízes não recebem os CIDADÃOS com “bons olhos”.

Ela foi pedir para o juiz OLHAR PARA ELA “de gente pra gente”.

Passou O DIA INTEIRO na espera por atendimento. Quando o juiz lhe atendeu ao final do expediente, a notícia não lhe agradou pois, ele disse que iria demorar para que seu caso fosse apreciado. Célia DESMAIOU, NA FRENTE DO JUIZ E DE TODOS OS SERVENTUÁRIOS.

TUMULTO, ALVOROÇO! FOI VISTA! OUVIDA! MAS NÃO SEM DOR, NÃO SEM MAIS ESSA HUMILHAÇÃO.

Após tanto trabalhar, ainda é preciso IMPLORAR ao INSS, MENDIGAR ao JUDICIÁRIO.

Célia teve a infelicidade de adoecer e tornar-se idosa no Brasil. Aqui, quem é doente se torna inútil para o sistema, e é descartado depois de tanto contribuir.

Eu digo sempre, ninguém quer envelhecer, adoecer, se tornar inválido, se sentir inútil, porque sabem que seu destino é ser tratado com total indiferença quando mais precisam.

Mas... Chegou a vitória!!

Sentença Proferida! Célia teve o seu pleito PROVIDO!

Contudo, o caminho não continuou fácil, precisamos opor embargos. Após, o INSS recorreu (sem qualquer fundamento diga-se de passagem), quase um ano se passou até que o recurso fosse analisado.

Finalmente, encerrada a fase de conhecimento do processo, iniciou-se a execução, RPV aguardando expedição, em breve Célia receberia o fruto material de tamanha injustiça que tanto prejuízo lhe causou.

Mas há pouco uma notícia me atingiu em cheio: um novo AVC, seguido de parada cardíaca. Célia não resistiu.

Ela estava feliz com o resultado do processo, com a justiça que havia sido alcançada e pelo fato de que poderia usufruir tranquilamente o fruto do seu trabalho, do seu direito.

Nós nos falávamos com frequência. Célia era uma mulher inteligentíssima, contestadora, generosa, um tanto desconfiada, uma cliente exigente.

Ela me desafiava, e eu comprei essa briga, refletia sobre esses desafios e aprendia com eles. Eu aprendi muito com ela, ela me fez crescer como profissional e como pessoa.

Essa, foi a odisseia de Célia, para então morrer na praia. Morre com ela um pouquinho dessa advogada romântica que vos escreve.

EU PERDI ESSA LUTA CONTRA A INJUSTIÇA E ME PERGUNTO SE É POSSÍVEL MUDAR ESSE SISTEMA, SE AINDA ACREDITO QUE É POSSÍVEL.

Célia acreditou em mim, e eu sei que lutei com todas as minhas armas. Muitas vezes, as armas da injustiça são mais fortes e, por incrível que parece, a justiça mais palpável que se pode buscar é a Divina.

E, às vezes, a gente perde uma luta para continuar na guerra.

Por ela, me resta seguir lutando, sem esmorecer, por tantos que perderam a guerra para as injustiças endêmicas que assolam nosso país.

Tenho certeza de que Célia está sendo acolhida com TOTAL PROCEDÊNCIA pelas mãos de Deus.

460 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Há muito ouço que a Justiça tarda mas não falha. Contudo, penso que a Justiça falha porque tarda. continuar lendo

A 'in'justiça brasileira tarda e falha. continuar lendo

Como diz o antigo brocardo:
"Justiça tardia se equivale à injustiça". continuar lendo

É Complicado em muitas das vezes definir a palavra Justiça. Em nosso Dicionário é: "Prática e exercício do que é de direito", neste caso especifico qual é ou qual seria a prática e exercício do que é de direito? Seria o bater do martelo do que foi praticado agora pelo o INSS? Para que Juiz seria para chancelar o que já foi imposto a dona Célia? Tem momentos que não não consigo entender é nada. continuar lendo

É Complicado em muitas das vezes definir a palavra Justiça. Em nosso Dicionário é: "Prática e exercício do que é de direito", neste caso especifico qual é ou qual seria a prática e exercício do que é de direito? Seria o bater do martelo do que foi praticado agora pelo o INSS? Para que Juiz seria para chancelar o que já foi imposto a dona Célia? Tem momentos que não não consigo entender é nada continuar lendo

Perfeita colocação! Infelizmente, a Justiça falha porque tarda. Obrigada por contribuir. continuar lendo

Exatamente, Jeronymo, nossa justiça é falha porque tarda em suas decisões! continuar lendo

Dra... triste as injustiças que acontecem, infelizmente.

Mas a Dra. ainda teve vitória. Tivemos um caso aqui do mesmo modo, porém perdemos.

Cliente com o mesmo histórico de doença e cancelamento de aposentadoria, comprovado por vários documentos e prontuários médicos. Foi tudo contra. Tutela indeferida e perícia contrária. Logo depois da perícia o cliente faleceu, pelas mesmas doenças. A sentença? Improcedência. Nada que fizemos conseguimos reverter.

A pensão por morte da esposa? Negada, por suposta falta de qualidade de segurado do falecido... Outra batalha judicial em andamento.

Às vezes tenho vergonha do Judiciário. continuar lendo

Humana Advogada! Parabéns por seu desvelo neste caso medonho, ao defender uma aposentada que o INSS, após conceder, quis caçar-lhe este direito conquistado.
E por infelicidade sua cliente faleceu, mas levou com sua alma a sua atenção e profissionalismo.
Edson Guimarães continuar lendo

Você tem vergonha às vezes....eu sempre tenho. continuar lendo

tambem tive um caso, paciente com câncer. tutela de urgencia deferida, nao fora capaz de trazer a urgencia necessaria ao meu cliente que morreu antes de receber a primeira parcela do auxilio doença.

paciente com 178m e com apenas 57 quilos, o medico do INSS disse que o mesmo estava apto ao trabalho, momento em que menos de 2 meses ja estava morto.

eu penso não daria para todos os advogados processarem e responsabilizarem os medicos do inss?

sera que a partir dai seus diagnosticos nao seriam mais conscientes, depois de estarem respondendo dezenas de processos por erros ou ma fé em pericias anteriores.

no meu caso, o cliente chegou ao medico do INSS ja com câncer de lingua, exofago estado avançado de modo que nem mesmo conseguia falar, sendo que a irmã do paciente disse que o medico debochou de seu irmão. continuar lendo

Infelizmente a história é frequente, nem a morte é suficiente para constatar a incapacidade. O sistema é falho, injusto e cruel. Obrigada por contribuir. continuar lendo

Enquanto isso, milhões de reais são desviados do INSS com a conivência de bandidos travestidos de servidores públicos. continuar lendo

Infelizmente, muitos que de fato precisam são prejudicados em razão da corrupção entranhada nas entidades pública. continuar lendo

"EU PERDI ESSA LUTA CONTRA A INJUSTIÇA E ME PERGUNTO SE É POSSÍVEL MUDAR ESSE SISTEMA, SE AINDA ACREDITO QUE É POSSÍVEL."

Dra, enquanto existirem os justos, a justiça prevalecera!
Infelizmente muitas Célias, Joãos, Augustos, enfim, ainda pagarão o preço da injustiça humana, mas em tudo existe um porquê e uma razão.
Tenho certeza, pelo seu relato, que fez tudo que podia e muito mais. Sinta-se orgulhosa Dra, por nunca desistir e acreditar até o fim.
Que a paz esteja com a Dra, e que neste momento Deus conforte os familiares de Célia. continuar lendo

Devido à imensidão de casos em que pessoas forjam ou simulam incapacidades para obter benefícios indevidamente, o Judiciário tende a ficar indiferente, e considera a pessoa capaz até que um perito diga o contrário.
Então é assim: na dúvida, não está incapaz. Certeza, só após a conclusão pericial.
É o preço do histórico lastimável de fraudes - que tem aumentado a cada dia. continuar lendo

Caríssimo,

Aqui no Brasil a justiça nunca prevalecerá e UTOPIA e ingenuidade acreditar em justiça,mesmo porque o que existe na verdade são direitos,justiça só nos livros. continuar lendo

Amém, muito obrigada, seu apoio me dá forças para seguir. continuar lendo